A ansiedade durante o isolamento social

A ansiedade durante o isolamento social

A ansiedade durante o isolamento social. Você conhece alguém que ganhou alguns quilinhos nesses meses de isolamento social? Ou que experimentou aquela sensação de medo ou preocupação de que sempre alguma coisa ruim irá acontecer , e que vai dar tudo errado?

Um estado constante de alerta com dificuldade de concentração , irritabilidade, músculos tensos, distúrbios do sono e aumento ou diminuição do apetite?

Todos esses sinais e  sintomas caracterizam a ansiedade. E quem é que nunca sentiu pelo menos uma vez , ao menos uma dessas sensações?

Inegavelmente nesses últimos meses estamos vivenciando uma luta contra o invisível. Sentimentos como insegurança e incertezas do que está por vir nos assolam diariamente, e como você tem administrado isso?

A princípio, a ansiedade é uma desordem multifacetada, considerada normal quando ocorre ocasionalmente em resposta a situações que ameaçam nosso senso de segurança. Porém um distúrbio, quando ocorre inapropriadamente em resposta a eventos normais do dia a dia.

Raramente a ansiedade se manifesta sozinha, geralmente está acompanhada pela depressão e em alguns casos fica difícil dissociar uma da outra.

Mas o que causa a ansiedade?

Chamo sua atenção para algumas alterações no  organismo que podem levar ou intensificar quadros de ansiedade tais como erros alimentares e desordens hormonais.

Sim, a ansiedade e a depressão podem não ser apenas coisa da sua cabeça, mas sim a falta de alguns nutrientes. Principalmente as vitaminas do complexo B podem levar a um distúrbio do ciclo da metilação, a qual é responsável por ativar ou desativar alguns genes.

Esses são fatores críticos para a síntese de neurotransmissores como dopamina e serotonina as quais  são responsáveis por regular o humor.

Além disso, quem nunca ouviu dizer que com  a menopausa ou andropausa começou a ficar mais ansioso? Ansiedade é duas vezes mais comum nas mulheres do que nos homens.

Sendo assim,  a mulher está mais suscetível a quadros de ansiedade na gestação, pós-parto, período pré-menstrual e menopausa, do que em outros momentos da vida.

Sabemos que alguns hormônios esteroides como pregnenolona, estrogênio, progesterona, testosterona e DHEA são neurologicamente ativos. Assim exercem papel importante na síntese de neurotransmissores relacionados ao humor.

A progesterona diminui a ansiedade por um mecanismo similar aos benzodiazepínicos. isso ativando receptores de GABA. Já a testosterona e o estrógeno também atua no GABA, na liberação de dopamina e serotonina, tanto em homens quanto em mulheres.

Estresse

Quando uma pessoa experiência o estresse,  lembre-se seja ele físico ou emocional, o corpo inicia um complexo sistema de reações adaptativas para lidar com ele.

Essa resposta reativa envolve a liberação de cortisol, também conhecido como hormônio do estresse. A curto prazo ocorre o redirecionamento do fluxo sanguíneo de outras partes do corpo para o músculo, dilatação da pupila e  inibição da digestão.

Isso acontece para conservar energia e direcionar o sangue e nutrientes para os locais de maior necessidade para luta ou fuga!

Essas alterações se iniciam no cérebro, quando uma ameaça é detectada pelo hipotálamo. Ocorre uma sinalização química  para a adrenal secretar o cortisol.

Luta ou fuga é uma resposta que acontece quando é preciso fugir de um perigo iminente e garantir a sobrevivência da espécie.

Atualmente a  vida moderna é repleta de estresse emocional como problemas financeiros, pressão no trabalho ou nos estudos, bem como o estresse físico desnecessário com a ingesta excessiva de calorias, obesidade e inatividade física.

Todos esses estressores modernos ativam cronicamente o eixo hipotalâmico, pituitário e adrenal com consequências adversas à saúde pelo aumento do risco cardiovascular, risco de AVC, diabetes mellitus e distúrbios do humor.

Vida moderna

A elevação crônica de cortisol leva a mudanças físicas na estrutura do cérebro.

Te explico: o cortisol elevado no organismo leva a modificação na comunicação dos neurônios, tornando-os menos funcionais, como nas regiões cerebrais associada ao humor, memória de curto prazo e comportamento.

Ou seja, sabe aquela queixa de falta de memória ? Pois bem, pode estar relacionada ao estresse alimentar ou estresse físico e emocional.

Estilo de vida

Portanto , a mudança do estilo de vida é imperativo para diminuir os níveis de estresse e consequentemente o controle da ansiedade.

Hábitos como tabagismo, uso abusivo de álcool , consumo de cafeína em excesso , sedentarismo e aumento do peso corpóreo às custas de gordura tem um impacto negativo na saúde mental e física.

Estudos demonstram que o yoga e meditação  atuam aumentando a atividade do GABA , melhorando o humor.

Além disso música, massagens corpóreas, ambiente acolhedo , fragrâncias como lavanda e uma nova visão sobre a alimentação, com a prática de comida de verdade.

Você já deve ter ouvido a seguinte frase: “descascar mais e desembalar menos” , com certeza irá trazer benefícios para o seu humor, com redução dos níveis de estresse e consequentemente um melhor perfil hormonal.

Related Posts
4 Comments
Luísa

Ótima matéria! Jamais saberia que ansiedade pode ser falta de alguns nutrientes, como vitaminas do complexo B 😯😲😯😲

Luísa

sou da Verità de São Caetano do Sul

Maria Fernanda Souza e Silva

Fico feliz que tenha gostado!

[…] alternativa e, segundo especialistas, entre os benefícios que ela pode proporcionar, estão: a redução da ansiedade; promoção de uma sensação de bem-estar e de considerável relaxamento; combate à insônia; […]

Leave a Reply

Your email address will not be published.Required fields are marked *